quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Um triste adeus...



Já com o futuro resolvido, no que concerne às competições internacionais, o Benfica fez ontem na Luz o último jogo desta temporada europeia...

Estiveram pouco mais de 17 mil espectadores na Luz.
E eu também não fui lá...
Mais do que frustrante, é penoso ver-mo-nos fora das provas da UEFA tão precocemente. Para mais quando, objectivamente, tínhamos obrigação de estar apurados. Para a Liga dos Campeões, entenda-se. No fim, nem para a Champions, nem para a Liga Europa.
Miserável. Inconcebível. Incomportável, quer desportiva, quer financeiramente.
Quem não perdeu qualquer jogo com a equipa que se classificou em 1.º lugar do grupo, tinha necessariamente que ter-se classificado para a fase seguinte...

Vi o jogo pela televisão, tentando nem sequer o ver...

Numa equipa de segundas linhas - apenas alinhou um dos habituais titulares, precisamente André Almeida... - a entrada em jogo foi insegura, mas aos poucos a equipa foi-se recompondo. A ponto de ter sido claramente superior aos alemães, a partir dos 10 minutos iniciais.
E se Lima não tem falhado, escandalosamente, o golo, aos 11 minutos, em pleno coração da grande área, só com o guarda-redes pela frente - ainda por cima deitado no chão, depois de uma defesa incompleta... - o jogo teria ido para o intervalo com uma menor injustiça, tal a preponderância do Benfica.
Com Pizzi a comandar o jogo, distribuindo para as alas onde Ola John e Bébé estiveram muito activos, e com uma defesa segura - quer na zona central, com César e Lisandro, quer nas laterais, com André Almeida e Benito, as nossas reservas iam dando para o Leverkusen. Pena que, na frente, embora batalhadores, nem Lima nem Derley tenham logrado acertar na finalização...

Na segunda parte o jogo foi mais equilibrado, com os alemães a acertarem melhor nas marcações e, aqui e ali, a tentarem chegar com mais perigo à nossa baliza.


De positivo, assinala-se o contributo de muitos jovens, alguns dos quais portugueses, tendo feito exibições agradáveis Pizzi, João Teixeira e mesmo Nélson Oliveira, para além de André Almeida. Bébé esteve relativamente bem na primeira parte, mas muito trapalhão na segunda.

Também positivas foram as exibições de César, Lisandro Lopez, Cristante e Ola John. Benito esteve melhor do que nas últimas partidas em que interveio - embora pior fosse quase impossível...
Lima, Derley e Talisca, que fez uns minutos na parte final do encontro, estiveram aquém das necessidades.
Artur, surpreendentemente, esteve bem, embora tenha tido pouco trabalho. Está a fazer-lhe muito bem ficar no banco...
Talvez esteja a faltar isso também a outros elementos do grupo...


No fim desta campanha europeia, fica um grande amargo de boca...
E um grito de revolta na garganta!

.......................................................................................

BENFICA, 0 -  BAYER LEVERKUSEN, 0
Liga dos Campeões 2014-2015  -  6ª jornada

09/12/2014, 19:45 horas, Estádio da Luz, cerca de 17.000 espectadores.
Transmissão TVI

ÁRBITROS: Aleksei Kulbakov; Andrei Getikov e Oleg Maslyanko; Dmitri Zukh.

BENFICA: Artur; André Almeida, César, Lisandro López e Benito; Cristante, Pizzi, Bébé (João Teixeira, 87 min.)  e Ola John; Lima (Talisca, 62 min.) e Derley (Nélson Oliveira, 76 min.).
Suplentes: Paulo Lopes, Sílvio, Jardel, João Teixeira, Gonçalo Guedes, Talisca e Nélson Oliveira.

BAYER LEVERKUSEN: Leno; Hilbert, Toprak, Spaich e Boenisch; Castro, Rolfes (Kiessling, 83 min.), Bellarabi, Çalhanoglu e Kruse (Brandt, 45 min.); Drmic (Son, 71 min.).
Suplentes: Kresic, Jedvaj, Wendell, Yurchenko, Son, Brandt e Kiessling.


MARCADOR: 0-0
.......................................................................................

Vitoria... zinha



Mais um desempenho medíocre, numa vitoria... zinha sofrida, mau grado o resultado possa dar a entender outra coisa.

Só ao minuto 65 é que apareceu o golo, depois de uma primeira parte desinspirada e jogada a passo, face a um adversário que defendeu sempre com todos os jogadores, colocando o autocarro em frente à baliza.
Mas isso até nem teria sido preciso, tal a lentidão e falta de imaginação da nossa equipa...


Depois de Lima fazer o 1-0 - voltou aos golos depois de uma longa travessia no deserto... - de cabeça, no interior da pequena área, depois de um passe, também de cabeça, de Jonas, na sequência de uma jogada de insistência, após a marcação de um canto, o segundo golo apareceu na conversão de uma grande penalidade. A falta foi feita sobre Enzo Peréz, e ele próprio converteu o castigo, ao minuto 70.
O jogo desenrolava-se, agora, numa toada mais agradável, destacando-se Gaitán. E foi Gaitán quem assinou a melhor jogada do desafio, aos 82 minutos, arrancando do miolo do terreno, driblando e arrastando atrás de si dois, três, quatro adversários, entrando na área pela esquerda e centrando para o coração da área, onde apareceu Sálvio a cabecear, em grande estilo, para o fundo das redes de Matt Jones.



Confesso que foi a única vez que saltei na cadeira, quase caindo sobre uma família sentada na fila abaixo de mim.
É tão fácil darem-nos um motivo para saltarmos de alegria, pá!...

De resto, foi mais do mesmo: uma monotonia que até dói.
E estavam cerca de 47.000 almas na Catedral da Luz...


.......................................................................................

BENFICA, 3 -  BELENENSES, 0
Liga 2014-2015  -  12ª jornada

06/12/2014, 19:00 horas, Estádio da Luz, cerca de 47.000 espectadores.
Transmissão BenficaTV1

ÁRBITROS: Manuel Oliveira; Alexandre Freitas e Tiago Costa; João Pinto.

BENFICA: Júlio César; Maxi Pereira (Benito, 85 min.), Luisão, Jardel e André Almeida; Samaris, Enzo Peréz (Pizzi, 81 min.), Sálvio  e Gaitán; Talisca (Lima, 45 min.) e Jonas.
Suplentes: Artur, Benito, César, Pizzi, Ola John, Lima e Derley.

BELENENSES: Matt Jones; Palmeira, Gonçalo Brandão, João Afonso e Nélson; Bruno China (Rodrigo Dantas, 68 min.), Pelé, Fredy e Fábio Nunes (Tiago Silva, 80 min.); Tiago Caeiro (Sturgeon, 52 min.) e Abel Camará.
Suplentes: Ventura, André Teixeira, Daniel Martins, Mailo, Rodrigo Dantas, Tiago Silva e Sturgeon.


MARCADOR: 1-0, Lima, 65 min.; 2-0, Enzo Peréz, 20 min.; 3-0, Sálvio, 82 min.
.......................................................................................

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Gaitán... e pouco mais


Ontem, em Coimbra, na vitória por 2-0, foi mesmo só Gaitán... e pouco mais.

Na ressaca da horripilante - quase degradante!... - eliminação das provas internacionais, esperava ver uma resposta à altura, competente e inequívoca. Mas não. Ao jeito do que tem sido habitual nos últimos tempos, vi uma equipa soturna, lenta a pensar e a executar, a falhar passes incríveis, a cometer faltas absurdas e despropositadas, sem ideias e sem genica.
Valeu S. Nico Gaitán, a jogar, a fazer jogar e... a marcar. Enzo Peréz apareceu, a espaços, e André Almeida voltou a estar relativamente bem.
Os restantes, pautaram as suas exibições por uma confrangedora mediania, e alguns, mesmo, por exibições inaceitáveis.
Dói ver Talisca jogar a um nível tão baixo, ver Sálvio a léguas do que já o vimos fazer, ou Samaris e Jardel a fazerem-nos arrancar os cabelos de desespero.
O actual futebol do Benfica não convence nada nem ninguém. Porque é um futebol triste, sem chama, sem intensidade a defender nem a atacar, e com um timoneiro que me parece cada vez mais à beira do naufrágio. O Benfica não aproveita os lances de bola parada de que dispõe - que inúmeras vezes resultam em situações complicadas para a nossa baliza... - e é incapaz de concretizar as situações de golo que, eventualmente, cria.

É verdade que a vitória sobre a Académica não merece contestação, e que podia ter sido expressa em números bem diferentes. É verdade que Jonas teve uma bola no poste, que antes e depois deste lance Enzo Peréz e Gaitán poderiam ter também aumentado o marcador, e que já no segundo tempo Derley teve uma flagrante ocasião quando, em frente ao guarda-redes adversário, entre a marca de penalty e pequena área, lhe rematou fraco e para as mãos. Tal como é verdade que a Académica não criou uma única situação de perigo e, que me lembre, fez apenas três remates à nossa baliza, todos sem perigo.
E é mesmo por tudo isto que não só a exibição, mas também o resultado, foram pobres. Muito pobres, mesmo!

Quo vadis, Benfica?...


.......................................................................................

ACADÉMICA, 0 -  BENFICA, 2
Liga 2014-2015  -  11ª jornada

30/11/2014, 18:00 horas, Estádio Cidade de Coimbra, cerca de 12.500 espectadores.
Transmissão SportTV

ÁRBITROS: Jorge Ferreira; Inácio Pereira e Jorge Oliveira; André Moreira.

ACADÉMICA: Lee; Oualembo, Aníbal Capela, Iago e Ricardo Nascimento; Fernando Alexandre (Salli, 45 min.), Obiora, Rui Pedro, Marcos Paulo e Ivanildo (Marinho, 74 min.); Rafael Lopes (Schumacher, 74 min.).
Suplentes: Cristiano, Aderlan, Nuno Piloto, Salli, Marinho, Magique e Schumacher.

BENFICA: Júlio César; Maxi Pereira, Luisão, Jardel e André Almeida; Samaris, Enzo Peréz, Sálvio e Gaitán (Lima, 90+6 min.); Talisca (Ola John, 62 min.) e Jonas (Derley, 75 min.).
Suplentes: Artur, Lisandro López, Cristante, Pizzi, Ola John, Lima e Derley.


MARCADOR: 0-1, Gaitán, 8 min.; 0-2, Luisão, 45 min.
.......................................................................................

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

IRRECONCILIÁVEL!!!...


Regressado, há dois dias, a este fétido rectângulo, cagado à beira do continente europeu possivelmente para não conspurcar o restante território, nem tive tempo para me preparar para as, previsíveis, desilusões desportivas...

Numa lógica de continuidade, não seria de esperar outra coisa. E não aconteceu outra coisa; aconteceu, apenas, o expectável. Ou seja, mais um desempenho miserável numa jornada europeia, frente a um adversário que ainda não tinha vencido em casa - empate com o Mónaco e derrota com o Leverkusen... - e que a única vez que tinha vencido fora na Luz, por 2-0!

Dói ver a nossa equipa arrastar-se, por essa Europa fora, vergada a equipas de muito duvidosa qualidade... mas com muito mais querer, e determinação, do que nós alguma vez tivemos no passado recente!
Já não acredito que estas misérias aconteçam só por desinspiração, individual ou colectiva, ou por erros ocasionais, ou opções falhadas, do treinador.
Foda-se!!! Não acredito!
Não há outra explicação que não seja o facto dos jogadores se estarem a cagar para isto, ou o treinador ser, objectivamente, burro e incompetente!!!
Bem... existe sempre a questão dos prémios, por objectivos, serem mais aliciantes - por serem mais facilmente atingíveis, claro... - no plano doméstico!

Jogámos com uns russos com ar de mafiosos, reforçados por alguns que já vestiram o manto sagrado e fizeram juras de amor eterno ao Benfica, mas que foram logo a correr para outras paragens quando lhes acenaram com mais dinheirinho - Witsel, Garay e Javi Garcia - e com um gajo brasileiro, de cú grande e com ar de panasca - que hoje foi futebolisticamente enrabado pelo André Almeida... - tal como por uns portugueses que são tão bons que ninguém os quis cá dentro de portas - Neto e Dany.
Foi contra esta fantabulosa equipa que o Benfica, servido de bons jogadores, que contam com excelentes condições de trabalho e são superiormente tratados, que conseguimos perder os dois jogos, fazendo exibições miseravelmente ridículas, tanto na Luz como em São Petersburgo...
Foda-se!!!
Inexplicável. E irreconciliável... com a génese do Benfica e com a sua história!

Com jogadores que actuam de forma displicente e incompetente, e que não se mostram minimamente empenhados em correr atrás do prejuízo, e com um treinador teimoso como um burro e burro como o caralho, que parece acertar sempre naquilo que de pior poderia acontecer, está cada vez mais difícil ser benfiquista.
Claro que estou a referir-me ao verdadeiro benfiquista, aquele que sofre e fica visceralmente trucidado quando o clube não ganha. Não àquele benfiquista que depois de uma derrota - ou de um empate... - vai alegremente, como se nada tivesse acontecido, para os copos, com a malta.

Claro que ao Grande Líder não deixa de ser conveniente este atordoamento do benfiquismo. É para ver se não lhe exigem muito; ou seja, que se esqueçam que passar à fase seguinte da Champions deve ser a regra e não a excepção.
Por isso, para varrer da memória colectiva o que é o verdadeiro Benfica, o Grande Líder e a BTV - sim, BTV e não Benfica TV!... - empurraram para fora da televisão aqueles que sentiam e viviam o verdadeiro Benfica, e que exigiam sempre tudo a quem o representa, para lá colocarem uns quantos putos imberbes  e yes man...
Vão-se foder!!!

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

UM NOJO DO CARALHO!!!


UM ACHINCALHO SEM TAMANHO!!!
FILHOS DE PUTA!!!
NOGENTOS DO CARALHO!!!
EM MAIS DE MEIO SECULO, NUNCA VI O BENFICA TAO ENXOVALHADO COMO HOJE!!!

Na linha do que tem sido os ultimos jogos, fomos enxovalhados por uma equipa vulgar...
Filhos de uma grandecissima puta!!!
Vao morrer longe, bandalhos do caralho!!!



AGORA VAO LA BATER PALMAS A EQUIPA QUANDO CHEGAR AO AEROPORTO, SEUS BENFIQUISTAS DE MERDA!!!
TENHO PENA DE ESTAR FORA DO PAIS, SE ESTIVESSE EM LISBOA IA ESPERAR A EQUIPA, MAS PARA OS APUPAR E DAR CONTA DA VERGONHA QUE SINTO E DO ASCO QUE ME METEM!!!
FILHOS DE PUTA!!!
CABROES DO CARALHO!!!

(,,, o teclado que estou a usar nao e portugues,,,)

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Uma excepção?...



Terá sido uma excepção, a vitória - gorda - de 5-0 sobre o Vitória de Setúbal, na passada 6.ª feira, no Bonfim?...
Espero, sinceramente, que não...

Não vi o jogo em directo, por estar ausente do país. E também porque, no local onde me encontrava não conseguia aceder à net; se tivesse acesso, teria arranjado forma de assistir ao jogo, claro!
Mas a verdade é que estava muito apreensivo com a deslocação a Setúbal. Porque estávamos a jogar pouco, mas também porque o Setúbal vinha sendo um adversário difícil de bater nos seus confrontos...
Afinal, o jogo acabou por ser fácil. Foram 5-0, mas podiam ter sido muitos mais...
Só o Talisca, ainda na fase inicial do jogo, falhou dois golos feitos em duas jogadas no mesmo minuto, mas independentes uma da outra.

Ao minuto 10, com o jogo ainda muito indefinido, o Sálvio fez um grande golo, num remate de pé esquerdo, de fora da área, sobre a direita do nosso ataque.
Daí até quase ao final da 1.ª parte, foi um festival de golos falhados e, aqui e ali, uns momentos a lembrar como não se deve estar em campo...
Fico literalmente possesso quando vejo jogadores com a experiência e a qualidade dos do Benfica subirem desalmadamente no meio campo adversário e, depois de se perderem em rodriguinhos e hesitações, entregarem o ouro ao bandido e permitirem ao adversário autênticas auto-estradas até à nossa baliza. E isso, como nos últimos jogos, voltou a acontecer por mais de uma vez.
Depois, no final da etapa inicial, vieram mais dois golos, colocando quase um ponto final no jogo. Aos 38 minutos, Talisca aproveitou um corte defeituoso da defesa sadina e, em posição frontal, quase sobre a pequena área, disparou para o fundo das redes. E o mesmo Talisca fez o 3-0, na cobrança de um livre directo, aos 43 minutos.
(Abro aqui um parêntesis para assinalar a marcação de um golo num livre directo, coisa que estava arredada do nosso futebol desde há muito tempo!...)



Depois do intervalo o jogo ficou ainda mais fácil, e o Benfica podia ter, sem grande dificuldade, chegado a um resultado histórico.
Destaque para a acção de Lima que, embora sem ter feito um grande jogo, tudo fez para marcar. Em alguns casos o guarda-redes adversário, noutros a manifesta falta de sorte impediram o regresso aos golos...




De qualquer forma, aos 54 minutos, Talisca fez o 4-0 (e o seu hat-trick...) numa recarga a um remate frontal de Sálvio que o guarda-redes Raeder teve de sacudir para a sua frente.
E, ao minuto 76, Ola John fechou a contagem, com um remate indefensável, a cruzamento precioso de Lima, do lado direito do nosso ataque.

Enfim, uma goleada à antiga, perante um adversário que nunca nos criou qualquer espécie de perigo.
Foi uma excepção, ou será para continuar?...

(Se eu tiver de emigrar para que o Benfica jogue como jogou e ganhe pelos números que ganhou, vou de bom grado!...)

.......................................................................................

SETÚBAL, 0 -  BENFICA, 5
Liga 2014-2015  -  4ª jornada

12/09/2014, 20:30 horas, Estádio do Bonfim, cerca de 10.000 espectadores.
Transmissão SportTV

ÁRBITROS: João Capela; Ricardo Santos e Tiago Rocha; Rui Rodrigues.

SETÚBAL: Raeder; Pedro Queirós (Vinicius, 46 min.), Venâncio, Miguel Lourenço e Advíncula; Schmidt (Ney, 61 min.), Dani, e Miguel Pedro; Zéquinha, Giovani (Forbes, 45 min.) e Manú.
Suplentes: Ricardo Batista, Vinícius, Ericson, Ney, Ponce, Lupeta e Forbes.

BENFICA: Artur; Maxi Pereira, Luisão, Jardel e Eliseu (André Almeida, 64 min.); Samaris, Enzo Peréz (Cristante, 73 min.), Sálvio e Gaitán (Ola John, 65 min.); Talisca e Lima.
Suplentes: Paulo Lopes, André Almeida, Lisandro López, Cristante, Ola John, Bebé e Derley.


MARCADOR: 0-1, Sálvio, 10 min.; 0-2, Talisca, 38 min.; 0-3, Talisca, 43 min.; 0-4, Talisca, 54 min.; 0-5, Ola John, 76 min.
.......................................................................................



PS - Buonanotte Principessa...

domingo, 31 de agosto de 2014

E SE SE FOSSEM FODER ?!?!?...



Estes idiotas estão a dar cabo do que resta do Benfica....

Dirigentes, técnicos, jogadores... e toda a corja de chulos e comilões que gravitam à volta do universo Benfica...


Recebemos, esta tarde, os tristes dos viscondes falidos, com uma equipa absolutamente vulgar, conforme se pode verificar pela ficha de jogo. Uma equipa de tostões, na verdadeira acepção da palavra: no seu valor real, do ponto de vista financeiro e patrimonial, assim como na sua qualidade individual e colectiva e no futebol jogado.
E apesar de termos marcado cedo, ficámo-nos por aí...
Depois do golo, foi um festival de asneiras!!!

A começar com o idiota do Artur, que conseguiu transformar uma jogada absolutamente banal e inofensiva num golo adversário. O infeliz já tinha feito uma série de asneiras, mesmo antes de oferecer o golo. Mas o brinde, na devolução de um passe da nossa defesa, em que consegue acertar nas costas de um adversário, é do mais patético e revoltante que se pode imaginar...
Mas não há quem tenha dois dedos de testa e olhos na cara para ver que o gajo até pode defender dez penalties em dez, mas que não pode jogar na baliza porque dá frangos nos lances mais impensáveis e oferece - literalmente!... - golos e pontos aos adversários.
Não há ninguém que lhe parta um braço, para obrigar o Jesus a tirá-lo da baliza?!?!?...
Se funcionou com Oblak, também deve funcionar agora...





E já agora, não há quem explique a uns quantos filhos de puta que andam por aí a passear o equipamento, que o futebol é um jogo colectivo, cujo objectivo é marcar golos e não os sofrer e, assim, vencer as partidas?!?!?...
E que, para se conseguir esse objectivo, não é preciso andar sempre a fazer habilidades circenses, mas antes enfiar a bola no fundo da baliza?!?!?...

Abram as orelhas, seus porras: se fosse comigo, para ajustarem o vosso nível de proficiência, passavam os treinos sózinhos, cada um para o seu lado, a chutar para a baliza, até acertarem nela convenientemente!!!...

Mas, não...
Em vez disso, passam os dias em paneleirices de sessões de autógrafos e em convocações para os jogos, via telemóvel...
FODA-SSSSSEEEEEEEEEEEEE!!!


O Benfica não pode ser isto!!!
Enquanto o Benfica não deixar de ser Fan zone's e merchandising, estamos completamente fodidos!!!
... E vamos continuar a ganhar só de vez em quando... mesmo quando os adversários jogam apenas o que os viscondes falidos jogaram hoje!...

Acorda, Benfica!!!



.......................................................................................

BENFICA, 1 -  SPORTING, 1
Liga 2014-2015  -  3ª jornada

31/08/2014, 19:00 horas, Estádio da Luz, cerca de 62.000 espectadores.
Transmissão BenficaTV1

ÁRBITROS: Pedro Proença; Paulo Soares e André Campos; Tiago Antunes.

BENFICA: Artur; Maxi Pereira, Luisão, Jardel e Eliseu; André Almeida, Enzo Peréz, Sálvio  e Gaitán; Talisca (Derley, 86 min.) e Lima.
Suplentes: Júlio César, Lisandro López, Samaris, Ola John, Pizzi, Bebé e Derley.

SPORTING: Rui Patrício; Esgaio, Maurício, Sarr e Jefferson; André Martins (Rosel, 81 min.), William Carvalho e Adrien (Mané, 79 min.); Carillo (Capel, 60 min.), Slimani e Nani.
Suplentes: Boeck, Paulo Oliveira, Rosel, Capel, Mané, Montero e Tanaka.


MARCADOR: 1-0, Gaitán, 12 min.; 1-1, Slimani (Artur!!!), 20 min.
.......................................................................................



PS - Buonanotte Principessa...